Home / Direitos Humanos / Racismo / Polícia vai investigar ataques racistas sofridos por Taís Araújo

Polícia vai investigar ataques racistas sofridos por Taís Araújo

Fonte CEERT
Carlos Romero

Polícia vai investigar ataques racistas sofridos por Taís Araújo / Foto: Reprodução – Revista Fórum
Atriz foi alvo de comentários preconceituosos nas redes sociais após o vídeo de uma palestra em que trata sobre racismo ser divulgado. “Não vou me intimidar”, afirmou Taís, que será ouvida pela Polícia Civil. Agressores serão intimados a depor

Vítima de ataques racistas nas redes sociais, a atriz Taís Araújo será ouvida pela polícia. A informação foi confirmada nesta terça-feira (21), por meio de nota, pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. Ronaldo Oliveira, diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE), determinou à Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) a instauração de um inquérito para apurar o crime de racismo. Os agressores, que já foram identificados, serão intimados a depor.

Os ataques aconteceram no último sábado (18) depois que começou a circular nas redes sociais um vídeo em que Taís Araújo fazia uma palestra em que tratava sobre o racismo e a situação de crianças negras na sociedade. Ela foi uma das palestrantes do TEDxSãoPaulo, que aconteceu em 12 de agosto. O tema de sua palestra foi “Como criar crianças doces num país ácido”.

O vídeo rapidamente viralizou nas redes sociais, mas parte da viralização se devia aos ataques. “O que a Taís Araujo quer? Uma guerra de raças igual a que teve nos Estados Unidos? Onde esse discurso quer chegar? Acho sem coerência vindo de uma atriz que faz parte da elite”, disse uma internauta. “Taís Araújo e o marido, casal vitimista. Faturam milhões em publicidades e agora usam os filhos para se vitimizar”, escreveu outro. Vários outros comentários atacando a atriz, então, começaram a se espalhar pelas redes.

Nesta segunda-feira (20), Dia da Consciência Negra, Taís Araújo se pronunciou em uma postagem no Facebook.

“Faço questão que todos sintam o mesmo que senti: a vergonha de ainda ter gente covarde e pequena nesse país, além do sentimento de pena dessa gente tão pobre de espírito. Não vou me intimidar, tampouco abaixar a cabeça. Sigo o que sei fazer de melhor: trabalhar. Se a minha imagem ou a imagem da minha família te incomoda, o problema é exclusivamente seu!”, escreveu.
Só no Portal Áfricas, “Palavras ganham voz”

x

Check Also

Vencedor do Pulitzer, ‘Underground Railroad’ é lançado no Brasil

Livro de Colson Whitehead mescla elementos ...